Categorias
Notícias

CADê o real interesse?

Agalmo Moro Filho

Tenho tentado nas redes sociais ficar fora da conversa sobre o CAD, até porque minha opinião é de que ele estivesse aberto, de que maneira não sei.

Mas tenho que falar uma coisa que percebo.

Deixando de lado a verdade do fato, que aquilo é apenas uma associação, e que não é público e também não foi incorporado ao patrimônio do Tião, diferentemente do que diz o CQC, mas conforme mostram a documentação e o posicionamento do Ministério Público sobre a documentação, tenho algumas considerações a fazer.

A questão é que, nessas horas, sempre aparecem os bondosos e solidários, porém devemos saber qual a real intenção deles.

Isso porque, ao mesmo tempo eles defendem que o CAD é público e que deve ser reaberto, mas reivindicam que são sócios e perderam seu direito e querem usar novamente o lugar.

Em primeiro lugar, devemos saber que, ou eles são sócios ou o local é público, as duas coisas não ocorrem ao mesmo tempo.

Mas o fato é que ao reivindicar a condição de sócio, eles afirmam pensar na cidade e na população, mas isso é mentira.

Eles pensam neles, pensam em ter de volta um direito que acreditam ter. Querem na verdade criar a sua “ilha de fantasia”, pela qual podem pagar como sócios, mas ao mesmo tempo querem pagar pouco porque acham que ser sócio do clube de campo é caro, e o CAD tem que ser barato.

Apesar da busca de sua “ilha”, dizem se preocupar apenas e tão somente com a população de Aguaí. Mas a verdade é que a população não tem condição de pagar por uma mensalidade de um clube.

Então pergunto, abrindo a associação, não ficaria da mesma forma a população sem poder entrar no local?

Nesse ponto, os “solidários”, para disfarçar a busca pela “ilha da fantasia” a um preço barato, (afinal eles reivindicam ser sócios e donos do local), dizem que isso é direito do povo.

Mas o direito é do povo, ou dos associados?

Então ao estarem diante dessa situação, estes mesmos se colocam ao lado do povo e dizem que aquilo era da prefeitura, e deve ser aberto ao povo.

Agora eu pergunto uma coisa, esses mesmos sócios, abrindo o CAD ao povo iriam no CAD nadar com o povo, ou estão querendo sua “ilha de fantasia” a preço baixo?

Pergunto ainda uma coisa: sem o CAD, como hoje, essas mesmas pessoas “defensoras do povo” vão ao Celtra nadar com o povo?

Ou na época que nadavam no CAD, quando ele funcionava, falavam que o Celtra era sujo, porque lá nadava o “povão” e viviam na sua “ilha”, que agora não sabem se “socializam” ou não.

Portanto, vejo muita gente por aí defendendo interesses próprios, distantes da realidade de grande parte da população aguaiana, e posando como defensor de todos.

É preciso abrir o olho sobre qual a verdadeira motivação, porque eu sinceramente não consigo enxergar muitos “lutadores” da causa alheia nadando junto com a galera em um CAD que seja realmente do povo, mas isso eles não tem coragem de assumir.  

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.